Saúde

Covid-19: 2 milhões de pessoas no Rio de Janeiro não se vacinaram

Publicados

Saúde

No estado do Rio de Janeiro, cerca de 2 milhões de pessoas que fazem parte do público alvo da campanha de vacinação contra a covid-19, ou seja, a partir dos 5 anos de idade, não tomaram nenhuma dose do imunizante. Outras 1,5 milhão receberam a primeira dose e não retornaram aos postos para completar o esquema básico.

Quanto ao reforço, um total de 6 milhões de pessoas aptas não garantiram o prolongamento da imunização, ou seja, metade das 12 milhões com 18 anos ou mais que completaram o esquema básico de duas doses ou dose única.

Os dados foram divulgados hoje (23) pela Secretaria de Estado de Saúde do Rio de Janeiro (SES). O secretário, Alexandre Chieppe, lembra que apenas a imunização completa evita as formas graves da doença e os óbitos.

“A principal forma de evitarmos internações e óbitos pela covid-19 é a vacinação. Estudos mostram que, desde o início da campanha, houve uma redução significativa das formas graves da covid-19. Por isso, fazemos um apelo para que a população procure os postos de saúde para receber o imunizante o quanto antes”.

O levantamento reuniu dados lançados no Sistema de Informações do Programa Nacional de Imunizações (SI-PNI) até esta terça-feira (21).

Leia Também:  WhatsApp: administradores poderão excluir mensagens de outras pessoas

Internações

A secretaria ressalta que 59% das internações por covid-19 são de pessoas que não completaram o esquema vacinal, segundo os dados do Centro de Informações Estratégicas de Vigilância em Saúde (Cievs).

“O monitoramento mostrou que no período analisado 56 pessoas estavam hospitalizadas, sendo 36 em unidades de terapia intensiva (UTI) e 20 em enfermaria. Do total, apenas 41% estavam como o esquema vacinal completo e uma dose de reforço”, diz a nota da secretaria.

A análise do perfil dos internados com covid-19 nas unidades da rede estadual de saúde foi feita entre os dias 9 e 10 de junho. A SES destaca também que a idade e as comorbidades contribuem para a evolução da doença para as formas graves.

“Das pessoas entrevistadas pelo Cievs, a maior parte era de idosos, sendo a mediana de idade de 69 anos. Além disso, 16% dos internados apresentavam alguma comorbidade”, explica a secretaria.

O levantamento envolveu pacientes internados no Hospital Estadual Dr. Ricardo Cruz (HERCruz), Hospital Regional do Médio Paraíba Dra. Zilda Arns Neumann (HERZA) e no Hospital Universitário Pedro Ernesto (HUPE), unidades de referência no estado para o tratamento da doença.

Leia Também:  Comissão dos Direitos das Pessoas com Deficiência debate o tratamento da amiloidose

Reforço

A dose de reforço contra a covid-19 foi estendida aos adolescentes de 12 a 17 anos no dia 30 de maio e, nesta semana, começou a aplicação da segunda dose de reforço no público a partir dos 40 anos.

Os idosos começaram a receber o reforço extra no dia 24 de março, que teve início pela faixa acima de 80 anos e desceu gradativamente. Também devem receber a quarta dose os trabalhadores da saúde e imunossuprimidos. O intervalo mínimo entre um reforço e outro é de 4 meses.

No Rio de Janeiro, já foram aplicadas mais de 34 milhões de doses em todo o estado, sendo que 80% da população acima dos 5 anos completou o esquema básico.

A Secretaria de Saúde orienta as secretarias municipais a adotar medidas para ampliar a cobertura, como fazer busca ativa por pessoas não vacinadas e campanhas em locais de grande circulação, fora das unidades básicas de saúde.

Edição: Maria Claudia

Fonte: EBC Saúde

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Saúde

Covid-19: Brasil registra 158 óbitos e 37.784 casos em 24 horas

Publicados

em

As secretarias estaduais e municipais de Saúde registraram 37.471.847 novos casos de covid-19 e confirmaram 158 mortes por complicações associadas à doença em 24 horas. Os dados estão na atualização divulgada neste sábado (2) pelo Ministério da Saúde.

Com as novas informações, o total de pessoas infectadas pelo novo coronavírus durante a pandemia soma 32.471.847.

O número de casos de covid-19 em acompanhamento está em 919.405. O termo é dado para designar casos notificados nos últimos 14 dias em que não houve alta, nem óbito.

Com os números de hoje, o total de mortes desde o início da pandemia chegou a 671.858. Ainda há 3.241 óbitos em investigação. As ocorrências envolvem casos em que o paciente faleceu, mas a investigação se a causa foi covid-19 ainda demanda exames e procedimentos complementares.

Até agora, 30.880.584 pessoas se recuperaram da covid-19. O número corresponde a 95,1% dos infectados desde o início da pandemia.

Estados

Segundo o balanço do Ministério da Saúde, o estado que registra mais mortes por covid-19, até o momento, é São Paulo, com 171.055 óbitos. Em seguida, aparecem Rio de Janeiro, com 74.157; Minas Gerais, com 62.170; Paraná, com 43.818.

Leia Também:  Mais informação faz com que adultos descubram que vivem com autismo

Os estados com menos óbitos resultantes da doença são: Acre, com 2.004; Roraima, com 2.153 e Amapá, com 2.140.

Os estados do Maranhão, Minas Gerais, Mato Grosso, Rio de Janeiro, Roraima, Tocantins e o Distrito Federal não atualizaram os dados neste sábado. O estado de Mato Grosso do Sul não atualizou os óbitos.

Boletim Epidemiológico Boletim Epidemiológico

Boletim Epidemiológico – 02/07/2022/Divulgação/ Ministério da Saúde

Vacinação

Até o momento, foram aplicadas 454.466.956 doses de vacinas contra a covid-19, sendo 178,2 milhões como primeira dose, 161,2 milhões como segunda dose e 4,9 milhões como dose única. A dose de reforço já foi aplicada em 95,2 milhões de pessoas e a segunda dose extra, ou quarta dose da vacina, 10,4 milhões.

Edição: Claudia Felczak

Fonte: EBC Saúde

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

RONDONÓPOLIS

POLÍTICA

MATO GROSSO

POLÍCIA

MAIS LIDAS DA SEMANA